Como os Correios integraram o Brasil

#servicopublicofazadiferenca, Campanhas, Pelo País, Serviço Público

No Brasil, os Correios são o principal agente de integração do território. Com 5570 municípios agrupados em 26 estados, além do Distrito Federal, não é tarefa fácil conectar regiões tão distintas como o Sul e a Amazônia, no quinto maior país do planeta. Mas não se constrói essa infraestrutura continental do dia para a noite: única empresa presente em todos os municípios, demorou mais de 300 anos para alcançar essa capilaridade.

Mas o que faz os Correios? Não entrega só cartas, como no passado, mas é cada vez mais essencial com o advento do comércio eletrônico. Hoje 3 em cada 4 mercadorias compradas pela Internet são entregues pelos Correios, que é a única opção para a maioria dos municípios. Além disso, a empresa estatal funciona como um braço logístico do Estado, sendo imprescindível para uma série de políticas públicas no Brasil: entrega de vacinas, distribuição de livros didáticos, realização de avaliações como o ENEM, eleições, emissão de documentos, serviços bancários, entre muitos outros.

A pandemia veio escancarar a necessidade de um correio público. Com o comércio fechado, os brasileiros de todos os lugares só puderam adquirir muitos itens de maneira virtual, mas recebendo em suas casas pelo serviço postal. A concorrência com as transportadoras só acontece nos maiores centros urbanos, onde as empresas privadas têm interesse em atuar, mas não esqueçamos que a maioria das cidades brasileiras possuem menos de 20 mil habitantes.

Os trabalhadores dos Correios estão em greve há mais de uma semana. Dessa vez, não pedem por aumento de salário ou outras reivindicações comuns ao movimento sindical, mas levantam três bandeiras: 1) o imediato amparo às atividades na pandemia, pois os gabinetes dos generais que ocupam o alto escalão da estatal parecem não estar preocupados com máscaras e álcool gel para os carteiros e as agências; 2) a garantia de direitos de acordos coletivos anteriores, agora subitamente ameaçados sob a desculpa de uma crise econômica que na verdade favorece empresas de logística, como os Correios; 3) contra o projeto de privatização do governo federal.

Não surpreende que Paulo Guedes e aliados entreguistas andem por aí alardeando a necessidade de privatização dos Correios, como quem troca bananas por ovos na esquina de casa. Como alguém que não construiu um patrimônio de 357 anos tem algum requisito moral para vender o que não é seu? É preciso dizer, sempre e mais uma vez, que os Correios não são patrimônio de um governo, partido, facção ou clubinho de Chicago boys. Os Correios pertencem, sim, ao povo brasileiro, a serviço de seu território. É preciso dizer à Amazon que espere mais 300 anos.

É justamente pela relevância para a integração do território e para a soberania nacional que o serviço postal está incluído na Constituição Brasileira, que em seu artigo 21 esclarece quem compete à União manter o serviço postal. Portanto não há dúvida a respeito dos deveres do governo federal. O que há são promiscuidades de quem quer chamar de emenda constitucional o desmonte de uma nação.

Nós temos o serviço postal como um direito, e precisamos lutar por sua manutenção mais uma vez ameaçada. A universalização do serviço de correio, com a presença em todo o território, é uma vantagem enorme do Brasil. Se privatizado, ainda não temos condições de mensurar os incalculáveis prejuízos a grande parte de municípios que ficarão sem o serviço, esses mesmos lugares desinteressantes para as empresas privadas, mas que constituem a maior parte desse território que chamamos de Brasil.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: Outras Palavras

Leia também!

I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do SUS foi realizado

No dia 24 de maio de 2022 ocorreu o evento live "I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do

Read More...

Transição Energética foi tema de evento realizado pela Agência Servidores

Mas afinal, o que falta para o Brasil estar acelerado de fato na transição energética ?  Esse foi o

Read More...

Reforma tributária: Sindireceita acompanha leitura de novo relatório da PEC 110 no Senado

O diretor de Assuntos Parlamentares do Sindireceita, Sergio Castro acompanhou, na manhã desta quarta-feira, dia 23, na Comissão de

Read More...

Mobile Sliding Menu