Funcionários públicos do RS completam 50 meses com salários atrasados em janeiro

Serviço Público

Crise financeira do Rio Grande do Sul afeta o pagamento há mais de quatro anos. Salários serão pagos integralmente no dia 13 de fevereiro, segundo o governo.

O estado ainda não fez o pagamento dos salários do mês de janeiro e a primeira folha do ano vai ser concluída no dia 13 de fevereiro. Há 50 meses, mais de 330 mil pessoas são atingidas por essa medida no Rio Grande do Sul. Os atrasos e parcelamentos marcam a crise financeira, situação que se estende desde julho de 2015, o primeiro mês com parcelamentos.

O calendário de pagamento foi divulgado nesta quinta-feira (30). Os depósitos começam na sexta-feira (31) para quem ganha até R$ 2,2 mil líquidos. A primeira parcela do 13° salário de 2019 também será depositada nesta sexta.

A próxima data é 11 de fevereiro para quem recebe até R$ 5,5 mil. Os total de funcionários terá o pagamento concluído até 13 de fevereiro, segundo o governo.

O pagamento será possível graças à arrecadação do IPVA 2020, quase R$ 50 milhões acima do projetado, além de ingresso de recursos do ICMS da cesta básica e receitas extraordinários.

Servidores relatam dificuldades

Os quatro anos de atrasos nos salários levaram a professora Bárbara de Cristo Silveira a pedir inúmeros empréstimos. As contas acumularam e ela renegociou a dívida cinco vezes. O valor que começou em 1.300 reais, já passa de 42 mil.

“Essa dívida de 40 mil reais é minha, que emboloto, é do meu salário. Não vai ser cobrado do governo. Até 2027 vou estar pagando essa dívida”, explica Bárbara.

O policial militar Adão Luis Tarigo se aposentou em 2017, depois de 36 anos de trabalho. Mesmo aposentado, ele segue recebendo parcelado e já gastou cinco mil reais só em taxas cobras para antecipar os salários.

“Se você atrasa uma conta você paga juros, você é penalizado. O estado, no entanto, atrasa o pagamento, simplesmente atrasa”, disse Adão.

Em 2019, uma promessa do novo governador deixou os servidores na expectativa pela volta do pagamento dos salários em dia. Mas o primeiro ano passou e os atrasos continuaram. O déficit do estado fechou em mais de R$ 3 bilhões. E em janeiro, os parcelamentos atingem 50 folhas de pagamento, 48 delas consecutivas.

Quem convive com os atrasos, consegue resumir a situação em um único sentimento: angústia. Nesse mês, a professora Bárbara precisou receber uma cesta básica.

“Jamais pensaria, em 23 anos de trabalho, estar passando por isso. Tem alunos meus que me trazem abacate, laranja, banana… para dividir o lanche comigo”, contou emocionada.

 

Leia também!

I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do SUS foi realizado

No dia 24 de maio de 2022 ocorreu o evento live "I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do

Read More...

Transição Energética foi tema de evento realizado pela Agência Servidores

Mas afinal, o que falta para o Brasil estar acelerado de fato na transição energética ?  Esse foi o

Read More...

Reforma tributária: Sindireceita acompanha leitura de novo relatório da PEC 110 no Senado

O diretor de Assuntos Parlamentares do Sindireceita, Sergio Castro acompanhou, na manhã desta quarta-feira, dia 23, na Comissão de

Read More...

Mobile Sliding Menu