Perda de arrecadação em estados e municípios chegou a 37% na última semana

Pelo País

Levantamento com base em dados de emissão de notas fiscais mostra que a arrecadação de estados e municípios vem caindo a cada semana, em ritmo crescente. Nos últimos sete dias, a queda foi de 37% na comparação com o mesmo período de 2019.

Os números, obtidos com exclusividade pelo G1, foram compilados pelos coordenadores e administradores tarifários estaduais (Encat) e pelo Conselho de Secretários Estaduais de Fazenda (Consefaz). Os dados refletem, em especial, os setores de varejo e indústria.

Dados fechados na quinta-feira (16) mostram que o volume declarado de notas fiscais emitidas no país recuou 13,4% nos últimos 35 dias.

Se forem consideradas apenas as últimas duas semanas, essa perda foi de 24,6% em comparação os mesmos 14 dias do ano passado. Na comparação da semana passada, a perda atinge os 37%.

Crise generalizada

Para especialistas em contas públicas, o sinal é de que o recuo da economia, causado pela pandemia do novo coronavírus, é generalizado no país inteiro. A perda de arrecadação poderá ser diferente para cada município e estado, porque produtos e serviços pagam alíquotas diferentes.

A maior queda, no entanto, é registrada justamente nos produtos com maior peso na arrecadação de ICMS (sobre mercadorias, de competência estadual) e ISS (sobre serviços, de competência municipal).

Combustíveis e os setores de turismo e lazer, por exemplo, registram perdas de acima de 70% nas últimas semanas. O mesmo patamar foi registrado nas movimentações com as chamadas “maquininhas”.

Os produtos que tiveram aumento na demanda desde o início da pandemia, como farmacêuticos e alimentação, em geral têm alíquotas menores. O ganho na arrecadação com essas compras não é suficiente para compensar a perda nos demais setores.

Economistas alertam que, mesmo que o ritmo anterior da economia fosse retomado imediatamente, a perda na arrecadação “já estaria dada”. Os efeitos da contração atual devem perdurar, ainda, por semanas.

‘Tsunami econômico’

O economista José Roberto Afonso, um dos pais da Lei de Responsabilidade Fiscal, compara a situação brasileira ao tsunami ocorrido na Ásia em 2004.

“O terremoto já ocorreu, agora estamos vendo a maré recuar intensa e rapidamente. Em poucos dias, é certo que baterá uma onda gigantesca a arrastar boa parte dos recursos dos orçamentos públicos por todo o país”, diz ele.

Afonso defende que a ajuda do governo federal chegue logo aos Estados e municípios, para evitar que a falta de recursos atinja o atendimento em saúde.

Além da rapidez na resposta do governo federal, os economistas alertam que o debate precisa ser técnico, sem politização.

“É importante que a ajuda do governo federal chegue logo aos Estados e municípios, os que mais estão gastando com o atendimento em saúde. Com rateio ditado por critérios técnicos, como se faz ao decidir para onde distribuir respiradores e outros materiais hospitalares”, diz Afonso.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: G1

Leia também!

I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do SUS foi realizado

No dia 24 de maio de 2022 ocorreu o evento live "I Encontro de Lideranças de Carreiras Públicas do

Read More...

Transição Energética foi tema de evento realizado pela Agência Servidores

Mas afinal, o que falta para o Brasil estar acelerado de fato na transição energética ?  Esse foi o

Read More...

Reforma tributária: Sindireceita acompanha leitura de novo relatório da PEC 110 no Senado

O diretor de Assuntos Parlamentares do Sindireceita, Sergio Castro acompanhou, na manhã desta quarta-feira, dia 23, na Comissão de

Read More...

Mobile Sliding Menu