Policiais Federais são contra a divisão do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Ações, No Governo, Serviço Público

Mais da metade dos policiais federais são contrários à divisão do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Eles acreditam que os custos seriam altos demais e que a mudança não seria suficiente para reduzir os índices de criminalidade. Também não creem que a cisão fosse facilitar a construção da Lei Orgânica da Polícia Federal, emperrada há mais de trinta anos no Congresso Nacional. E duvidam que os problemas da categoria fossem diminuir caso surgisse uma nova Pasta na Esplanada. Porém, se o Ministério for mesmo dividido, a categoria espera que, ao menos, a Polícia Federal fique sob o guarda-chuva da Justiça e não da Segurança Pública.

Esses são os resultados de uma pesquisa realizada pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) entre os últimos dias 10 e 22. Cinco perguntas foram feitas aos associados da entidade via e-mail.

Nada menos que 57,52% do total de votantes se manifestaram contrários à divisão da Pasta e 61,65% acreditam que os custos e as dificuldades de logística para a implementação do Ministério da Segurança Pública não compensariam. Outros 61,87% acham que o eventual novo ministério não ajudaria a resolver nem os problemas da categoria nem reduziriam os índices de criminalidade.

Sobre se a proposta seria útil para desemperrar a tramitação da Lei Orgânica da Polícia Federal, que está há mais de trinta anos no Congresso Nacional, 56,20% dos votantes duvidam que uma Pasta a mais na Esplanada possa contribuir de alguma forma. Porém, se a ideia de retomar a formatação de governos anteriores vingar, os Policiais Federais preferem ficar sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça. Essa é a alternativa apontada por 60,78% dos votantes.

O presidente da Fenapef, Luis Antônio Boudens, disse que os resultados não surpreendem. Ele avaliou os posicionamentos como prova de maturidade da categoria em relação ao tema. “Há uma preocupação com a divisão em si por conta da repercussão financeira e estrutural que a criação de uma nova Pasta demanda”, observou. Ainda segundo Boudens, a defesa da manutenção da PF na estrutura do Ministério da Justiça é uma forma de mostrar que os federais buscam a estabilidade dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: Fenapef

Leia também!

Bolsonaro sanciona FNDCT, mas infelizmente com vetos, lamenta Confies

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na terça-feira (12) o projeto de lei 135, do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), com

Read More...

PEC 186/19, o “feijão milagroso” do “pastor” Paulo Guedes

Confira o artigo completo de Vladimir Nepomuceno, diretor da Insight Assessoria Parlamentar e consultor da Frente Parlamentar Mista do

Read More...

Servidores do grupo de risco sofrem pressão para retorno em agências do INSS

Em meio à pandemia do coronavírus (covid-19), servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que fazem parte do

Read More...

Mobile Sliding Menu