Repórter da EBC é deslocado da Saúde após questionar militares na pasta

Entidades em Ação, No Governo, Serviço Público

Um repórter da Rádio Nacional, que pertence à EBC (Empresa Brasil de Comunicação), foi afastado da cobertura do Ministério da Saúde depois de ter questionado a pasta sobre a nomeação de militares sem formação médica. A EBC é uma empresa pública, parte do governo federal.

A informação foi confirmada ao UOL por um repórter da Rádio, que preferiu não se identificar. Ele disse que o profissional afastado atuava na cobertura havia quatro meses, desde o início da pandemia de coronavírus, em fevereiro, e que agora foi deslocado para diferentes pautas a cada dia.

O profissional afastado fez essa pergunta na quinta-feira (4), no grupo de WhatsApp criado pelo Ministério da Saúde para receber questionamentos de jornalistas durante coletivas de imprensa.

Na ocasião, o repórter perguntou: “Quais critérios estão sendo usados para ocupação dos cargos comissionados no Ministério da Saúde? Militares e empresários sem nenhuma experiência em saúde pública terão condições de combater a maior pandemia dos últimos 100 anos?”.

Não houve resposta pelos representantes da pasta durante a coletiva. O jornalista teria sido afastado da cobertura no mesmo dia, e realocado para pautas diferentes a cada dia desde então.

O questionamento foi refeito ontem, no grupo de WhatsApp do Ministério da Saúde, por um segundo profissional da Rádio Nacional:

“Nas últimas semanas tivemos a nomeação de militares e empresários sem reconhecida experiência em saúde pública. Eles têm condições de combater a maior pandemia dos últimos 100 anos? E quais critérios são usados para ocupação dos cargos comissionados no Ministério da Saúde?”.

Este segundo jornalista também teve o questionamento ignorado. O UOL apurou que, até o momento, ele não sofreu sanções.

Repúdio

Entidades ligadas à comunicação repudiaram a decisão da EBC de afastar o profissional.

Em nota, os Sindicatos dos Jornalistas do DF, RJ e SP, os Sindicatos dos Radialistas do DF, RJ e SP, e a Comissão de Empregados da EBC classificaram o episódio como “censura” e “assédio moral”.

“Os ataques diários à missão da comunicação pública brasileira pela cadeia de comando da EBC interferem diretamente no direito ao acesso à informação de toda a população e contrariam a legislação e a Constituição”, diz o texto. “Chega de censura, de assédio e de improbidade dentro da empresa pública. Durante a pandemia, a comunicação pública pode salvar vidas”.

Procurada, a EBC não se manifestou até a publicação da reportagem. A empresa, portanto, não esclareceu o motivo do afastamento e se outros jornalistas que questionarem o governo federal também estão sujeitos a sanções.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: UOL

Leia também!

Educação brasileira precisa de liderança para vencer crise

A deputada federal Professora Rosa Neide (PT-MT) conversou com a Agência Servidores a respeito da crise que vive a

Read More...

Estudo do Sindireceita estima que desemprego no Brasil é o dobro do que afirma o governo

O Presidente do Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita), Geraldo Seixas, conversou com a

Read More...

Câmara aprova PEC, e Eleições Municipais 2020 são adiadas para novembro

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (1º), em dois turnos, a Proposta de Emenda à Constituição

Read More...

Mobile Sliding Menu