Vereadores acatam veto e servidores da saúde de Campo Grande ficam sem gratificação na pandemia

Ações, Nas Câmaras Municipais

Repetindo votação da gratificação dos guardas municipais, a Câmara Municipal de Campo Grande manteve decisão da Prefeitura que vetou o benefício por insalubridade  para profissionais da saúde  durante o período de pandemia da covid-10. Do total de vereadores, 18 votaram a favor e 10 contra.

Votaram contra o veto os vereadores Clodoilson Pires (Podemos), Ronilço Guerreiro (Podemos), José Jacinto Luna (Podemos), o Zé da Farmácia, João César Mato Grosso (PSDB), Ayrton Araújo (PT), Camila Jara (PT), Alírio Vilassanti (PSL) e André Luís (Rede), Sandro Benites (Patriota) e Marcos Tabosa (PDT). O restante dos vereadores votaram a favor da derrubada. Apenas Carlos Augusto Borges (PSB), o Carlão, não votou porque é quem conduz a sessão.

Ao discutir a proposta, Otávio Trad (PTD) lembrou que a aprovação da proposta traria impacto econômico de R$ 56 milhões ao Município, o que acarretaria em instabilidade financeira nas contas, portanto, tornando-se inviável. “É importante estabelecer relação de sinceridade com o servidor”, disse ao defender o veto.

Vitor Rocha (PP) também votou favorável ao veto, pontuando Lei Complementar que veda até o fim do ano aumento de despesas do Executivo. Em seu discurso, o vereador também levantou discussão sobre a necessidade de previsões orçamentárias para a aprovação. “ Para ser possível é necessário ter uma previsão legal”, disse.

Clodoilson Pires (Podemos) rebateu alegação do momento de pandemia, lembrando que a reivindicação dos trabalhadores da saúde já é pauta antiga. “O servidor tem sido penalizado há muitos anos. A pandemia veio ano passado, mas essa é uma dívida de anos que eles pedem e sempre é negado”, considerou.

Líder do prefeito na Câmara, Roberto Avelar (PSD), também fez referência a lei que proíbe aumento de despesas até 31 de dezembro, e pontuou que o projeto apresentado não estabelece graus de insalubridade, abrindo as gratificações a todos os trabalhadores com pontuação máxima de exposição. “Sabemos que existem graus de risco e exposição”, afirmou.

Por fim, Avelar disse que que aguarda posicionamento da Prefeitura sobre o assunto. “Contamos com o executivo para que apresente o mais breve possível um projeto de lei para que nós possamos amparar nossos heróis da saúde”, concluiu

Ao discutir o projeto, Marcos Tabosa (PDT) mencionou visita feita a uma Unidade de Pronto Atendimento da Capital, onde foi aconselhado por uma profissional da saúde a não entrar na ala de internação da unidade por causa do risco de contaminação. “Mas ela virou as costas e entrou, mesmo com o perigo. Há mais de um ano é assim. Eles colocando a vida em risco”, disse.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: Campo Grande News

Leia também!

Servidores do Ministério da Saúde vacinam garimpeiros contra Covid em troca de ouro, afirma líder Yanomami

A Hutukura Associação Yanomami afirma que há suspeita de que servidores da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), órgão

Read More...

Câmara do Rio de Janeiro aprova aumento da alíquota de 11% para 14% para servidores municipais

Por 23 votos a 22, a Câmara dos Vereadores do Rio aprovou na noite de ontem, em discussão final,

Read More...

Servidores precisam atualizar dados bancários no Sigepe para receber salário

Entre novembro de 2019 e de 2020, os bancos fecharam 1.444 agências no Brasil, volume 78% maior que nos

Read More...

Mobile Sliding Menu