Vereadores de Rio Branco aprovam reforma da previdência por 10 a 6

Nas Câmaras Municipais, Serviço Público

Em formato online devido à pandemia da Covid-19, os vereadores da Câmara de Rio Branco aprovaram nesta quinta-feira, 02, a reforma da previdência dos servidores municipais de Rio Branco.

A polêmica reforma foi aprovada por 10 votos a 6 debaixo de muita reclamação dos servidores no canal do Youtube da Câmara de Rio Branco. Os servidores criticaram a aprovação e falaram que era possível uma alíquota progressiva ao invés da linear adotada pela prefeita Socorro Neri (PSB).

A reforma coloca todos os servidores municipais, desde a merendeira até os vereadores contribuindo para a previdência municipal com a mesma alíquota de 14%.

O vereador Emerson Jarude (MDB), que votou contra a reforma, criticou a falta de diálogo da prefeitura com os 5 mil servidores. Segundo ele, o estudo atuarial mostra que a previdência dos servidores municipais é superavitária, portanto, não era necessária a adequação a reforma como foi proposta pela prefeitura.

“Não vejo a necessidade, mas ainda que fosse necessária a reforma traz na Emenda Constitucional uma opção da alíquota ser considerada na base dos salários dos servidores públicos. Que poderia ser adotada de 7,5 até 22%”, afirmou.

A vice-presidente da Câmara, Lene Petecão (PSD), criticou a falta de justiça social na reforma de Neri. “Vocês acham justo uma merendeira pagar a mesma alíquota de um médico? Falta justiça social nessa reforma”, questionou.

O vereador Eduardo Farias (PCdoB), que votou contra a reforma, elogiou o fato de Socorro Neri por não ter mexido na questão da idade e nem no tempo de contribuição, porém decidiu ir contra por uma questão de coerência, já que o seu partido, o PCdoB, votou contra a reforma da previdência do governo federal.

O vereador Rodrigo Forneck (PT), que votou a favor da reforma, afirmou que o município é obrigado a impor mudanças nas suas providências, sob pena de não receberem recursos do governo federal.

“Graças ao bom trabalho da equipe do RBPREV, que vem desde da época do Angelim e do Marcus Alexandre, temos uma boa previdência, mas mesmo assim, o aumento da alíquota enviado pela prefeitura era inevitável. Agora nossa obrigação é cobrar sempre a boa condução e cuidado da previdência dos servidores públicos municipais”, afirmou.

Votaram a favor: Artêmio Costa (PL), Juruna (Avante), Rodrigo Forneck (PT), Jackson Ramos (PT), N Lima (Progressistas), Célio Gadelha (MDB), Elzinha Mendonça, Clézio Moreira e Raimundo Neném, ambos do PSB.

Votaram contra: Anderson Sandro (PSD) Eduardo Farias (PCdoB) Lene Petecão (PSD), e Mamed Dankar (PROS) João Marcos Luz e Emerson Jarude, ambos do MDB.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: AC24horas

Leia também!

Orçamento 2021: proposta prevê contratação de mais de 50 mil servidores nos três poderes

A proposta de orçamento federal, enviada pelo governo ao Congresso no fim de agosto, prevê a contratação de 51.021

Read More...

Ampliação de atribuições da Anatel passa por limitação no quadro de servidores

A perspectiva de que a Anatel venha a se transformar no núcleo de uma agência reguladora com um escopo

Read More...

Em manifesto formal, servidores do Inmet contestam diretoria por “mudanças anacrônicas”

Em manifesto formal raro, servidores de carreira do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) enviaram uma carta aberta à direção

Read More...

Mobile Sliding Menu