Servidores da saúde paralisam atividades contra corte de adicional de insalubridade por Covid, em Ponta Grossa-PR

Ações, No Governo, Serviço Público

Servidores municipais que atuam na saúde de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, começaram, nesta segunda-feira (6), uma paralisação em protesto contra o corte do adicional de insalubridade da Covid-19 para os profissionais.

A Prefeitura de Ponta Grossa informou que a decisão de suspender o pagamento a partir de setembro ocorreu porque todos os servidores municipais da saúde receberam as duas doses da vacina contra a Covid, além da aquisição de novos equipamentos com mais proteção.

Segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS), os servidores que estiverem em desacordo com a mudança em relação ao adicional deverão protocolar a avaliação junto ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (Sesmt).

Para dar incio à paralisação de parte dos serviços, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ponta Grossa (SindServ) fez uma manifestação e votação em assembléia na manhã desta quarta, no Parque Ambiental.

Uma segunda votação ocorrerá no período da tarde, com outro grupo de servidores para definir o andamento da greve, conforme o sindicato.

Atendimentos

Segundo a categoria, a greve ocorre com a redução de serviços da saúde, considerados como eletivos, mas os profissionais continuam aplicando a vacinação contra a Covid-19 e realizando atendimentos de urgência e emergência, de acordo com a lei.

A FMS informou que mesmo havendo a necessidade da iniciativa de greve ser comunicada formalmente com antecedência mínima de 48 horas pelo órgão sindical, em algumas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) as coletas e consultas foram canceladas nesta segunda.

O município disse estar fazendo o monitoramento destes casos e logo após o retorno da normalidade, as unidades entrarão em contato com os moradores para reagendar o atendimento.

Adicional

A compensação era paga desde agosto de 2020, com retroativo a partir de abril do ano passado, a 1.800 servidores da saúde com atuação na linha de frente da pandemia.

O adicional chegava a 40% do salário dos servidores.

Com o corte, 209 profissionais voltam a ter em ao salario original sem acréscimo algum. Outros 1,6 mil funcionários permanecem com 20% de adicional por insalubridade.

Para a prefeitura, de acordo com dados disponibilizados, o pagamento da compensação representava R$ 387 mil por mês.

Procurada, a administração pública reforçou, ainda, que o dinheiro economizado agora poderá ser investido em outras áreas.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: G1

Leia também!

PLC que prevê ajuste nas contas e muda regras de servidores do Rio de Janeiro deve sair da pauta da Câmara

Apesar de previsto para entrar na pauta de amanhã da Câmara de Vereadores, o Novo Regime Fiscal do Município

Read More...

Reforma administrativa: relator reinclui corte de salário de servidores na crise

O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20, a Reforma Administrativa, deputado Arthur Maia (DEM-BA), manteve em

Read More...

Servidores denunciam ao Cremesp aumento de licenças médicas negadas desde que Prefeitura de SP terceirizou perícias

Servidores denunciaram nesta terça-feira (21) ao Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremesp) enfrentarem dificuldades para obter licenças médicas

Read More...

Mobile Sliding Menu