STF julga ação que contesta contratação de servidor público por CLT

Ações, Judiciário, Pelo País, Serviço Público

O Supremo Tribunal Federal (STF) está perto de definir se o poder público tem o poder de contratar servidores por outros meios que não o regime único – um debate que se repetirá na reforma administrativa. A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2135 esteve na pauta desta quinta-feira (4).

A corte analisa na ADI um pedido feito pelo PT há 20 anos contra a votação PEC 173, de 1998, que se transformou na Emenda Constitucional 19 e que buscou permitir a alteração dos regimes jurídicos diferenciados de contratação, além da criação de um conselho gestor de administração e remuneração. O motivo para a contestação, alega o partido, é uma artimanha legislativa do relator do texto na época, o então deputado Moreira Franco (PMDB-RJ).

“A proposta foi rejeitada pela Câmara, pois faltaram dez votos para os 308”, explicou ao Congresso em Foco Luiz Alberto dos Santos, que defendeu o caso em nome do PT na corte.

Hoje consultor legislativo no Senado, o advogado aponta onde pode ter havido ilegalidade: “A matéria voltou para a comissão especial, para o relator elaborar a redação final para o segudo turno das votações. E o então deputado Moreira Franco, ao invés de entender que a rejeição implicava a manutenção do texto, deu uma de ‘João-sem-braço’ e colocou o parágrafo rejeitado no caput do artigo”.

A alteração, considerada ilegal, foi aprovada pelos deputados em segundo turno e depois pelo Senado, vindo a ser promulgada – o que permitiu aos estados, aos municípios e à própria União contratarem servidores pela CLT, e não no regime estatutário, que prevê a estabilidade e plano de carreira.

O caso já mudou de relatoria duas vezes na corte – o primeiro ministro a cuidar da ação se aposentou em 2002. Em 2007 a corte finalmente decidiu, de maneira provisória, considerar a votação irregular e anular os efeitos da emenda. A ADI aguarda o julgamento definitivo, que agora está sob relatoria da ministra Cármen Lúcia.

Segundo Luiz Alberto a ação já entrou em pauta algumas vezes nos últimos dois anos, mas casos considerados mais urgentes pela corte impediram seu desfecho.

A mensagem que o tribunal pode dar sobre o regime jurídico único aos servidores deve ecoar na discussão da PEC 32/2020, que trata da reforma administrativa e prevê, novamente, o fim da estabilidade.

“O governo está voltando a esta discussão, para novamente quebrar o regime jurídico, permitir a implantação de vários regimes distintos e a quebra da estabilidade”, diz Luiz Alberto. “Mas a decisão do Supremo [de 2007] valoriza e fortalece o regime jurídico único e a estabilidade, e atrapalha, em um certo sentido, a tese do governo de flexibilização de regime.”

O resultado da ADI no Supremo poderá ter vida curta, caso a PEC da reforma administrativa seja aprovada por 308 votos na Câmara dos Deputados e 49 votos no Senado, em dois turnos. “Caso o Congresso aprove essa PEC, essa decisão do Supremo fica vencida, já que nova emenda terá sido feita”, explicou o advogado.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: Congresso Em Foco

Leia também!

Servidores querem Guedes fora do Ministério da Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já balançou no cargo por várias vezes, vítima de boatos de que seria

Read More...

ISP denuncia Bolsonaro na OEA

A Internacional de Serviços Públicos – Brasil (ISP) denuncia o presidente Jair Bolsonaro na Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Read More...

Relatório da reforma administrativa será lido hoje, 13 de maio

O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 32/2020), deputado Darci de Matos (PSD-SC), confirmou que a leitura

Read More...

Mobile Sliding Menu