TCU determina que Governo apresente dados para comprovar que Reforma Administrativa trará economia aos cofres públicos

Ações, Carreira, Judiciário, Pelo País

O ministro do TCU Raimundo Carreiro determinou ao Ministério da Economia e à Casa Civil da Presidência da República que apontem os dados e a metodologia utilizada para atestar que a PEC 32/20, mais conhecida como Reforma Administrativa, trará economia aos cofres públicos. O despacho é uma resposta à representação formulada pela Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público – Servir Brasil, da qual o Sindilegis participou, em virtude da falta de publicidade e transparência, por parte do governo federal, dos documentos técnicos referentes ao impacto orçamentário-financeiro da PEC. Os órgãos têm o prazo de 15 dias para encaminhar ao Tribunal os estudos que fundamentaram a proposta de redução de gastos públicos.

A projeção do Executivo de redução de gastos públicos, no longo prazo, é da ordem de R$ 300 bilhões a R$ 816 bilhões, caso a PEC 32 seja aprovada. No entanto, desde a apresentação da PEC ao Congresso Nacional, em setembro de 2020, o governo não tem disponibilizado os dados que embasaram a proposta, afirma o presidente do Sindilegis, Alison Souza. “Os documentos apresentados até agora são insatisfatórios e os dados, incompletos. Falta transparência em relação ao impacto orçamentário-financeiro da PEC. A nossa expectativa com essa diligência é que possamos, enfim, ter acesso às informações nas quais o governo se baseou para apontar essa possível economia”, declarou.

Nota técnica da Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal aponta que a proposta, “de forma agregada, deverá piorar a situação fiscal da União, seja por aumento das despesas ou por redução das receitas”. Segundo o estudo divulgado em maio, a proposta “contribuiria para o agravamento da corrupção no país” e, portanto, seria mais apropriado chamá-la de “contrarreforma administrativa”. Leia mais sobre a nota técnica aqui.

O presidente do Sindilegis, Alison Souza, e os presidentes da Servir Brasil e do Fonacate, deputado Professor Israel Batista (PV-DF) e Rudinei Marques, respectivamente, se reuniram com o ministro do TCU Raimundo Carneiro para tratar da representação contra a PEC 32.

 

FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA: Sindilegis

Leia também!

PLC que prevê ajuste nas contas e muda regras de servidores do Rio de Janeiro deve sair da pauta da Câmara

Apesar de previsto para entrar na pauta de amanhã da Câmara de Vereadores, o Novo Regime Fiscal do Município

Read More...

Reforma administrativa: relator reinclui corte de salário de servidores na crise

O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20, a Reforma Administrativa, deputado Arthur Maia (DEM-BA), manteve em

Read More...

Servidores denunciam ao Cremesp aumento de licenças médicas negadas desde que Prefeitura de SP terceirizou perícias

Servidores denunciaram nesta terça-feira (21) ao Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremesp) enfrentarem dificuldades para obter licenças médicas

Read More...

Mobile Sliding Menu